desenho estetoscópio Medicina Ocupacional é o mesmo que medicina do trabalho. A principal preocupação desse ramo da saúde é a qualidade de vida e segurança do trabalhador. Sua origem está entre o século XIX e XX com evolução do capitalismo e o avanço dos Direitos Humanos, que exigiam condições dignas de trabalho.

Entre as principais funções da medicina ocupacional, estão a conservação de salubridade e da higiene do local de trabalho, através de fiscalização e acompanhamento da condição física e mental dos funcionários de uma empresa. Quem avalia, atende e cuida dos detalhes da saúde ocupacional são profissionais como médicos, enfermeiros e auxiliares ou técnicos em enfermagem.

A saúde no trabalho é um direito conferido por lei a qualquer cidadão. A lei nº 6.514, de 1977, responsabiliza empresas e empregados pela segurança e cuidado com a saúde no ambiente de trabalho. O governo federal, estadual e municipal também são responsáveis por zelar pelos trabalhadores fiscalizando e investindo na melhoria das condições trabalhistas.

Existe, ainda, um importante programa que está em vigor desde 1994: o PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional), que prevê o cuidado da vida do trabalhador e torna obrigatório, para as empresas, realizar exames antes de admitir um funcionário. Também avalia periodicamente o empregado já contratado, a fim de acompanhar a saúde desse para evitar as doenças ocupacionais.

Esse tipo de doença pode se manifestar mesmo com todos os cuidados conferidos ao trabalhador. Elas são causadas depois de muito tempo e podem prejudicar os sentidos, como a visão e audição, provocar lesões ou mesmo levar a distúrbios de natureza mental (depressão e estresse).

No dia 4 de outubro, é comemorado o Dia da Medicina do Trabalho, mas será que sabemos exatamente que tipo de atividade é essa?

O que é Medicina Ocupacional ou do Trabalho?

Medicina ocupacional ou medicina do trabalho é um ramo da saúde que se preocupa em preservar a vida e a integridade do trabalhador. É um direito garantido por lei que visa proporcionar segurança do trabalho para todo cidadão.

Os profissionais responsáveis são médicos e enfermeiros especializados, que se empenham em prevenir acidentes e problemas de saúde decorrentes de certos ofícios, assim como tratar daqueles que sofrem com consequências de acidentes causados pelas tarefas que exercem.

A organização de uma empresa em torno da saúde do empregado é uma obrigação do empregador, mas é também uma maneira de fortalecer o negócio, porque os funcionários trabalham com mais segurança e afinco, melhorando as relações humanas e aumentando a produtividade.

O que é acidente de trabalho?

É todo e qualquer problema que ocorre durante o exercício da profissão e atinge a integridade física e psíquica do trabalhador. Doenças causadas pela função que ele exerce também são consideradas acidentes de trabalho assim como as causadas pelas más condições ambientais proporcionadas pelo empregador.

As maiores causas desse tipo de acidente são os atos irresponsáveis por parte do trabalhador, que não toma todas as medidas de segurança cabíveis. A outra condição é que não oferece um ambiente saudável, como escadas e elevadores sem manutenção, instalação elétrica mal conservada e assim por diante.

LER – Lesão por Esforço Repetitivo

Pessoa digitandoEsse tipo de lesão é muito comum e é causada, como o nome diz, pelas repetições de movimentos. Alguns trabalhos exigem, de quem o executa, atividades repetitivas por muitas horas seguidas. Isso a longo prazo, traz consequências e uma delas é lesão.

As atividades como digitação, condução de caminhão ou corte e costura, podem levar os trabalhadores a apresentar dores fortes nas mãos e coluna, por exemplo. Consequentemente, há a incapacidade de continuar a exercer sua função profissional com o mesmo desempenho, o que caracteriza um acidente de trabalho.

Para prevenir o trabalhador de danos causados à saúde por causa de sua atividade profissional, existe uma ciência, a ergonomia, que cria métodos para proporcionar um ambiente mais saudável e o uso da ginástica laboral.

As principais medidas são voltadas para que o trabalhador possa exercitar sua postura corporal de acordo com a disposição correta de suas ferramentas de trabalho, ou seja, o local deve oferecer conforto, para evitar problemas no futuro.

Origem da Medicina do Trabalho

A saúde do trabalhador começou a ser pensada no Pós-Guerra, principalmente pelos países industrializados da Europa e pelos Estados Unidos. Os primeiros setores que ganharam a atenção das autoridades foram a metalurgia e a mineração, que cresciam muito desde o século XIX, mas que representavam muito perigo para quem atuava nelas.

Os operários estiveram expostos a muitos riscos de vida em nome do desenvolvimento do capitalismo, que se baseava nos interesses da burguesia. Para alimentar o mercado, era preciso produzir muito, consumindo pouco para lucrar mais. Os trabalhadores, então, ficavam mais de dez horas sob péssimas condições e o que ganhavam era insuficiente para lhe proporcionar-lhes uma vida digna.

Esses trabalhadores foram, muitas vezes, vítimas de acidentes que os mutilavam e até matavam, inclusive mulheres e crianças. Essa situação começou a mudar com movimentos sociais que priorizavam os Direitos Humanos, no fim do século XIX.

OIT e a defesa dos Direitos Humanos

Em 1910, um Congresso Internacional, promovido por médicos em Bruxelas, elaborou, pela primeira vez, uma lista com as principais doenças profissionais, o que desencadeou o desenvolvimento da saúde voltada para a qualidade de vida do trabalhador.

Após a Primeira Guerra Mundial, foi criada a OIT (Organização Internacional do Trabalho), um órgão cuja principal função é a luta pela melhoria das condições de trabalho no mundo e que se baseou nos princípios defendidos no Congresso de Bruxelas. A organização ajudou a melhorar as condições de vida dos trabalhadores, principalmente depois da Segunda Guerra Mundial. Até hoje, continua lutando pela saúde do trabalhador e pelos direitos trabalhistas em todo o mundo.

Essas medidas foram responsáveis por fazer com que os Estados e as empresas se voltassem para causa trabalhista. A partir daí, foram elaboradas leis para garantir melhores condições de trabalho, os médicos começaram a atuar diretamente com o trabalhador dentro das grandes empresas, avaliando as condições de higiene do ambiente de trabalho e a situação da saúde física dos operários.

Medicina Ocupacional no Brasil

No Brasil, a saúde ocupacional começou a ganhar importância na década de 1970 quando o país estava se industrializando. Nessa época de transição, a indústria atuava sem muitas regras esclarecidas e os operários eram expostos a muitas situações perigo, tanto que o número de acidente de trabalho que acontecia, nessa época, era um dos maiores do mundo.

Os sindicatos foram muito importantes para firmar os direitos do trabalhador no Brasil, assim como lutaram pela melhoria das condições de saúde trabalhistas na indústria. Depois da Constituição de 1988, as possibilidades melhoraram, o governo passou a oferecer os Serviços de Saúde do Trabalhador, que tinham como objetivo vigiar as condições oferecidas aos trabalhadores em todo o país.

Hoje, as empresas buscam deixar bem claro o respeito aos Direitos do Trabalhador e o valor à saúde dele. Trata-se de uma estratégia humanitária que visa produzir com dignidade e respeito, conquistando, assim, a confiança de quem consome os produtos e serviços da empresa em questão.

Características da Medicina do Trabalho

Enquanto especialidade médica, a medicina ocupacional surgiu na Inglaterra, na primeira metade do século XIX, com a Revolução Industrial.

A exigência sobre os trabalhadores, o consumo da força de trabalho, resultante da submissão deles a um processo acelerado e desumano de produção, exigiu uma intervenção, sob pena de tomar inviável a sobrevivência e reprodução do próprio processo.

Após analisar as condições de seus funcionários, Robert Dernham, proprietário de uma fábrica têxtil, convocou seu médico particular, o Dr. Robert Baker, para criar uma forma de análise da saúde de toda sua equipe. Baker sugeriu que houvesse um médico dentro da empresa, para que todos que ali trabalhassem pudessem ser avaliados fisicamente.

Com a oportunidade em vista, Dr. Baker tornou-se o médico da fábrica. Em 1930, seus préstimos deram resultado e logo serviços semelhantes àqueles foram criados em outras empresas e fábricas ao redor do mundo.

O efeito causado pela criação de tal habilitação transformou-se na Recomendação 112/45, e segundo ela, a expressão “serviço de medicina do trabalho” designa um serviço organizado nos locais de trabalho ou das condições em que esse se efetue:

♦ assegurar a proteção dos trabalhadores contra todo o risco que prejudique a sua saúde e que possa resultar de seu trabalho ou das condições em que esse se efetue;

♦ contribuir à adaptação física e mental dos trabalhadores, em particular pela adequação do trabalho e pela sua colocação em lugares de trabalho correspondentes às suas aptidões;

♦ contribuir para o estabelecimento e manutenção do nível mais elevado possível do bem-estar físico e mental dos trabalhadores.

Baseados nessas conceituações, outras características da medicina do trabalho podem ser vistas, como:

♦ a medicina do trabalho constitui fundamentalmente uma atividade médica, e o “locus” de sua prática dá-se tipicamente nos locais de trabalho;

♦ faz parte de sua razão de ser a tarefa de cuidar da “adaptação física e mental dos trabalhadores”, supostamente contribuindo na colocação destes em lugares ou tarefas correspondentes às aptidões. A “adequação do trabalho ao trabalhador”, limitada à intervenção médica, restringe-se à seleção de candidatos a emprego e à tentativa de adaptar os trabalhadores às suas condições de trabalho, através de atividades educativas;

♦ atribui-se à medicina do trabalho a tarefa de “contribuir ao estabelecimento e manutenção do nível mais elevado possível do bem-estar físico e mental dos trabalhadores”, conferindo-lhe um caráter de onipotência, próprio da concepção positivista da prática médica.

Serviços e Cursos

Hoje, o setor de medicina do trabalho engloba variados serviços e vários cursos, entre pós -graduações e cursos técnicos.

A Associação Nacional de Medicina do Trabalho, a ANAMT, vem construindo uma imagem e ganhando reconhecimento para a área de atuação.

Com a missão de promover medicina do trabalho nas empresas, hoje, a associação já conta com diversos associados, informativos publicados semanalmente em seu site e até um jornal que é disponibilizado em seu endereço eletrônico.

Vários serviços são utilizados para a promoção de uma empresa. Sendo assim, a atividade da medicina do trabalho ganha mais espaço nelas.

O serviço que o funcionário faz para qualquer instituição é o seu dever, e isso o superior ou chefe deve exigir, mas o funcionário tem como direito adquirido que a empresa zele pela sua qualidade de vida e saúde de seu funcionário, enquanto estiver em horário de trabalho.

São serviços como esse que fazem a relação entre empresa e trabalhadores funcionar, aumentando a produção e os benefícios.